jump to navigation

Os Knucks dezembro 11, 2011

Posted by rpellanda in Noite sem Fim, Notícias.
trackback

Arte do Knuck: Licínio de Souza Ribeiro para série O Além-mar

“A criatura que todos temiam tinha um nome: Knuck.

Ninguém sabia qual a sua origem, o que queriam ou por que odiavam as pessoas da Vila com tanta intensidade. Eram seres monstruosos que vinham do Além-mar e traziam morte e destruição quando apareciam. Felizmente, a última incursão dos monstros havia sido há mais de quinhentos anos. Naquela ocasião, porém, um quarto da população da Vila tinha sido morta nos combates ou sequestrada e levada para o Além-mar nos barcos dos Knucks.

A descrição física que se tinha deles vinha de livros e manuscritos feitos por sobreviventes na ocasião da última incursão. Os Knucks tinham formato humanoide, com braços muito compridos que quase encostavam no chão; a pele era branca, como se fossem albinos, e tinham grandes olhos brancos sem pálpebras. Os dentes eram pontiagudos como agulhas e tão longos que quase impediam que a boca se fechasse. Não tinham pelos ou cabelos e, no lugar das mãos e dos pés, havia patas com quatro garras afiadas como navalhas. Seriam da mesma altura de um homem adulto se não andassem sempre encurvados, como corcundas. Os monstros se comunicavam por meio de um zumbido sinistro, como o de um grande inseto, e se alimentavam da carne dos mortos.”

Trecho de Noite sem Fim – Capítulo II –  A cadeira de madeira voltada para o mar

Os Knucks são criaturas monstruosas que vivem no Além-mar e que, de tempos em tempos, invadem a Vila trazendo morte e destruição.

Quando imaginei como seriam os monstros do Além-mar, tentei buscar o modelo de monstro que acho que gera mais terror. Para mim, a criatura mais apavorante é aquela que não aparece.

Quando eu tinha uns doze anos, lembro-me de assistir a um filme da Sessão da Tarde em que viajantes espaciais chegavam a um planeta remoto. Era um filme de ficção científica super antigo e com efeitos especiais toscos. Mas o roteiro era muito bom. Logo no início, os viajantes começavam a morrer mortes horríveis, com corpos mutilados e dilacerados (ahã, meio pesado para o horário). O mais interessante era que a tal criatura que fazia tudo isso nunca aparecia, nem de relance.

No final da história os (poucos) sobreviventes descobriram que a criatura era um “monstro do id”. Isso mesmo: fruto do inconsciente dos próprios astronautas. Um conceito inteligentíssimo e que tornou o monstro duplamente assustador.

Em “NOITE SEM FIM”, porém, a trama exigia um monstro que aparecesse e tivesse uma forma física. Por isso, recorri ao segundo tipo de monstro mais assustador: o bem horrendo (veja a ilustração acima).

Além disso, outras características tornam os Knucks medonhos:

1- Não têm propósito aparente:

Pelo menos no começo de “NOITE SEM FIM” não compreendemos o que os monstros querem. Um ser que mata com um propósito elusivo é tão enigmático quanto assustador.

2- São fortes e poderosos:

Isso é óbvio. A descrição física deles deixa claro que os Knucks não são o tipo com quem alguém queira arrumar confusão.

3- São inteligentes:

A pior notícia a respeito dos Knucks não é nenhuma das anteriores; é essa: são inteligentes.

Um ser poderoso, quase invencível em batalha e que ainda por cima é inteligente é um problema dobrado ou triplicado… Isso demora para ficar aparente na trama, mas aos poucos vamos compreendendo melhor os monstros.

Anúncios

Comentários»

1. licinio - dezembro 20, 2011

nossa, maneiro o conceito e as explicações da sua referência. Mto interessante! Gosto da abordagem com fdo psicológico claramente definido = )


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: